26/08/2008

BENVENUTI A FIRENZE

Muito diferente do cosmopolitismo do Norte industrial. Embora tenha estado num local semelhante, no norte da Bélgica, nomeadamente em Bruges, ainda não estou em mim…
Resultante da combinação de vontades do homem e a Natureza, a Toscana é simplesmente um espelho que reflecte o acto sumo da criação. Aqui ergueram-se expressivas cidades e vilas históricas que foram berço de génios da humanidade.
Como alguém disse… Foi aqui que alguém superior, seguramente, encantou e abençoou desde a alvorada dos tempos!!!
Quando se fala em Toscana, a associação vai imediatamente para Florença e um pouco mais rebuscadamente, para Siena ou Pisa. Mas, agora entendo a justificação da esmagadora presença de Florença, para os privilegiados… É naturalíssimo, pois trata-se de uma cidade que consome os sentidos dos visitantes e garante de forma justa que o resto da província seja praticamente esquecida, bom, isto é uma maneira de falar… claro que a Toscana não se resume a estas localidades. Daí, ficou a vontade indelével para uma viagem a Siena.
Apesar de ainda estar a digerir esta ancestralidade de cultura etrusca, espero que o apelo da Toscana aguce o apetite a alguns potenciais viajantes. Não foi por acaso que a Passagem realizou esta viagem, era difícil não visitar um dos melhores laboratórios e ateliers de todo o Mundo, onde nasceram alguns dos nossos maiores génios da humanidade.
Um cardápio de história, cultura e sentimentos unidos num traço comum o “belo”.

À saída da estação dos trenos os passos conduziram-me para uma igreja gótica, que se destaca pela elegante fachada de mármore colorida. Mas, como não há tempo a perder, sobre as pedras da calçada seguimos entre o emaranhado de ruas estreitas para aquela massa imensa de mármore branco, rosa e verde a (Duomo). É de uma beleza arrebatadora e a quarta maior catedral do mundo.

Em frente à Duomo fica o Battistero, de forma octogonal destaca-se pelas famosas portas de ouro, as originais estão no Museu da Ópera. O Campanile, elegante torre de 85m em mármore branco, rosa e verde ergue-se mesmo ao lado da catedral, isto tudo na Piazza del Duomo. Encantados com as vielas medievais adjacentes seguimos para a zona onde o coração bate mais forte, a Piazza della Signoria, a mais famosa e concorrida da cidade, seguramente uma das mais belas do Mundo. Meus amigos, há tanto para ver e admirar nestes metros quadrados que ficamos boquiabertos. O espaço é dominado pelo Pallazo Vecchio de aspecto medieval que se distingue pela torre sineira. Em frente à entrada, uma galeria de estátuas imponentes, entre as quais se destacam o célebre David, de Miguel Ângelo, o Hércules, de Bandinelli e a fonte de Neptuno rodeada de ninfas… bom, desculpem-me mas não vou continuar, é um museu ao ar livre.

Chegando um dos vértices que comunica com a Galeria dos Ofícios (UFFIZI) encontramos o museu mais visitado de Itália. Até aí tudo bem, o problema é que o exterior é adornado com estátuas de artistas, filósofos, cientistas e escritores e o interior alberga obras-primas como Miguel Ângelo e Leonardo entre outros…, isto tudo num corredor a acabar no Arno. Digo-vos que à primeira vez é um sonho, percorrer esta Piazza decorada na mais pura tradição medieval, transportou-me no tempo, fez-me recuar séculos esta atmosfera. As emoções estavam em ebulição. Já tinha lido, já tinha visto fotos, mas mesmo assim… anónimo entre muitos, olho tudo e todos, o tempo passa a correr… e finito!!! Mas o que é isto, não é uma pintura, não é música, não consigo explicar as sensações, só podem ser vividas e sentidas. É uma autêntica aguarela viva que pinta a nossa alma!

Depois de sair daquela pintura viva, os passos conduziram-me para as margens do Arno e só paramos porque o muro limita as águas. Debrucei-me para tirar uma foto e olhei em redor e nenhum pensamento me veio. Que silêncio. Não consegui descrever o momento que estava a viver, terá sido ali que muitos génios da humanidade se “debruçaram”???
Tenho pena de não ter vagueado vezes sem destino aquelas vielas…

Para descansar, recomendo um café no Pallazo Strozzi. Vale a pena conhecer este Palácio que transborda tranquilidade…, tomar uma infusão no Caffé Giocosa, é ao mesmo tempo uma lição de história. Este é o café de Roberto Cavalli que fica térreo de sua loja.
Esta resenha limita-se a ser o melhor que encontrei, claro que Firenze tem muito mais para oferecer. Ficou a vontade de voltar, agora com um olhar mais florentino…
Ciao Italia
Nota de rodapé: Apesar do saber estar dos Toscanos fica aqui o desagrado pelo o carácter cosmopolita de alguns Italianos...!!! É regra!!! Traços contínuos “não existem”, os semáforos estão “sempre verdes", as ultrapassagens são constantes e nas rotundas, quem chega primeiro tem prioridade. Ah!!! Também não respeitam as filas…

Sem comentários: