21/04/2009

somos aquilo que decidimos, ou não?

ser grande quando percebemos que perante a situação, decidimos agir, ou não? passamos muitas vezes ao lado daquilo que incómoda, porque estamos mecanizados para prosseguir e não conseguimos salta fora do enfiamento. fazer um desvio, obriga a ter necessária coragem de perder o tempo que já não volta. interromper o percurso é questionar, e agora? o que vou fazer? mas afinal, qual é o meu caminho? n vejo e sigo, ou vejo e paro, ou vejo e sigo… escolher a opção certa na altura certa parece ser tarefa difícil. no entanto, avisa-me de ter um olhar em torno de mim, quando vejo e sigo.

3 comentários:

IM disse...

Não sei, t...não sei...perdemos ganhando e ganhamos perdendo. Sempre. Alguma coisa em algum lugar. Sabes, de repente, lembrei-me daquela fantástica afirmação do Sartre:"O que importa não é o que os outros fizeram de nós, mas o que nós próprios fazemos com o que os outros fizeram de nós"...
:)

t disse...

Sim, mas o que nós próprios fazemos com o que os outros fizeram de nós, por vezes não chega… para mim, eu assumo, não, eu sinto a presença de um criador ao contrário de Sartre. mas quem sou eu para dizer isto…??… será que através dos olhos dos outros chega para alguém se ver como parte do todo??
:))

IM disse...

Pois, mas não estava a pensar nessa questão do ateísmo de Sartre...estava apenas a reforçar a nossa responsabilidade en todo o processo, independentemente de haver ou não algo mais...