04/09/2009

ONGI ETORRI EUSKADI




Lisboa (Iberia ) –> Madrid –> Bilbao

Partimos pelo apetite antropológico e só parámos em Euskara.
Banhámos as vistas com projectos de arquitectos tão conceituados quanto Norman Foster ou Frank Gehry.
Um burgo com características sobretudo neo-românticas, mas com espirituosos vestígios românicos, góticos e art déco, com uma qualidade de vida cobiçável.




Sendo a cultura o impulsor da economia da cidade, arremessou Bilbao para este ambiente de simpatia.



Guggenheim







Há que admitir que a edificação ofídia de titânio, cujas colorações variam a todos os instantes segundo a luminosidade do dia, merece uma visita por si mesmo. Apesar de não ser um admirador de arte contemporânea, gostei graças à sua magnificência. Notoriedade também para a ponte pedonal construída por Santiago Calatrava (Zubizuri, ou Ponte Branca) localizada justamente nesta zona. Uma teia resplandecente de cimento armado que liga as margens do rio que rompe o burgo. O passado a ser substituído pelo calhau e o aço.




Não sou um viajante de sentido estético aprumado, ao ponto de procurar a tendência da oferta hoteleira (design), evidentemente que não permanecemos no Carlton ou Miró, um referencial de Bilbao, mas também quem queria tomar o desayuno com a Sophia Loren ou a Diana Ross. Mas ficámos no mesmo quarteirão.



E os bares?!



Pelo que mirámos os bilbaínos compartilham de um prazer usual a todos os bascos, o de txikitear. Rito diário, que se resume na arte de ir deliciando diminutas doses de petiscos – os pintxos – de bar em bar, na parceria de amigos. Congregam ao entardecer de copo rioja ou cidra na mão. O balcão parece ser o melhor espaço para acasalar cavaqueiras e escolher petiscos.



Metro



Não reparar no projecto do inglês Norman Foster, inaugurado em Novembro de 1995 na praça Moyúa, onde fica situado o edifício do Governo Civil - palácio de pedra ocre, é inaceitável.
Elevam-se as suas entradas na configuração de esquisitos tubos transparentes de aço, vidro e calhau.

Recordo que a organização separatista basca ETA continua activa.

Casco Viejo



Bairro histórico na margem direita do rio. Destaque para a Catedral de Santiago, igreja gótica do século XIV, pela igreja de San Antón, que já assinalou uma das entradas do burgo, e pelo Mercado de la Ribera, um dos maiores mercados cobertos da Europa.



Puente Vizcaya, transbordador de Portugalete a Las Arenas. Puente Colgante.







Agur Euskara.

Sem comentários: